Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Universidade da Coruña
Glosario
da poesía medieval profana
galego-portuguesa
Voces do D
depois ~ despois ~ depos1 adv. temp. 'despois'
ImprimirAlternar visualización dos exemplos
11.7 Senhor, e que vos mereci, / ca non foi eu depois peor / des quando guaanhei voss’amor?||11.13 e diredes depois por min||23.41 como se sol do seu / omen nembrar, depois sa mort’, alguen||40.6 sabor ouvera de morrer log’i / por non viver com’eu depois vivi||40.8 Podera-m’eu de grand’afan guardar / e de gran coita, que depois levei||41.14 Tod’aquel ben que m’ela fez enton, / e de que m’eu depois muito loei||49.2 Vedes, senhor, u m’eu parti / de vós e vos depoi[s] non vi, / ali tenh’eu o coraçon||79.6 e ora ja este meu coraçon / anda perdudo e fóra de sén / por ũa dona, ..., / que depois viro[n] estes olhos meus||121.14 e non foi ledo nen dormiu / depois, mia senhor, e morreu||145.14 terrá que faredes assi / depois a quen s’a vós tornar||204.19 ést[e] meu coraçon traedor / que mi-a depois conselhou a veer||209.14 Podedes-vos nembrar de min / depois mia morte sen al ren||239.6 ca, se nunca depois ar vi prazer, / Deus no’me valha, que poderia?||257.4 ca depois nunca, ..., / pud’eu en outra ren aver sabor||267.12 sen outras coitas que depois sofri||331.7 e vós faredes depoi-lo melhor!||361.4 e, per como m’end’eu depois achei, / ben entendi, fremosa mia senhor, / ca vos nunca poderia maior / pesar dizer||361.10 mas, per com’eu depois m’end’achei mal, / ben entendi, fremosa mia senhor, / [ca vos nunca poderia maior] / pesar dizer||361.16 ca, por quant’eu depois por én perdi, / ben entendi, fremosa [mia senhor, / ca vos nunca poderia maior] / pesar dizer do que vos dix’enton||423.15 ca muit’i á que vivi a pavor / de perder o sén con mui gran pesar / que vi depois||461.5 e depois ir a Alcala se[n] pavor e sen espanto / que vós ajades d’i perder a garnacha nen no manto||493.4 empero foi ela i tan ardida / que ouve depois a vencer sen falha||544.10 ca depois non me pod’escaecer / qual [a] eu vi||590.8 – U vos en tal ponto eu oi falar, / senhor, que non pudi depois ben aver||690.16 e poi-lo ela por aquesto faz, / fazed’aquest’e depois fara-s’al||694.7 e foi-s’el d’aqui sanhud’e mui coitado / e nunca depois vi el nen seu mandado||805.14 que depois nunca poderon servir / as por que morreron nen lhis pedir / ren||831.3 e nunca eu depois dormir / pudi||852.15 era muito de mi avĩir assi / de vós, sen[h]or, com’eu depois cuidei||889.20 como farei depois, se o ouver, / que o possa manteer e gracir?||1038.10 mais, como quer que depois venha, / farei-lh’eu ben, [par Santa Maria]||1038.22 E ben sei del que non cataria / o que m’end’a mí depois verria||1066.3 pois m’en poder d’atal senhor metedes / de contra quen me depois non valredes||1080.8 nunca [eu] me depois paguei / de min nen me cuid’a pagar||1080.13 nunca eu depois vi prazer / nen ja máis non o veerei||1089.6 e depois, se vos prouguer, morrerei||1161.6 «Ai amor, leixedes-m’oje de so-lo ramo folgar / e depois treides vós migo meu amigo demandar!»||1212.5 mais eu, fremosa, des que o non vi, / non vi depois prazer de nulha ren||1255.4 nen ar ouv’eu depois migo / de nulha ren gasalhado||1273.3 e nunca máis depois el ar dormiu||1273.5 nunca depois dormi, per bõa fe, / des que s’el foi||1398.7 feze-s’el en seus cantares morrer, / mais resurgiu depois, ao tercer dia||1477.22 E depois tomaran senhas masseiras / e banharon-se e loavan-s’ali||1495.13 e de que ficaredes / con mal escarnho se vos emprenhar / d’algun rapaz e vos depois leixar / filho d’outro que por vosso criedes||1496.7 e, ..., / o leixasse malandante seer / Deus, ca depois en ben tornaria||1496.14 ca todo x’el depois cobraria||1526.8 Quiçai depois vós ar baixar-vos-edes, / ca vimos melhores ca vós baixar||1526.21 e, se vós ali punhades pojar, / nunca depois malandante seredes||1532.6 ca mi fazedes vós en guisa tal / ben, mia senhor, que depois é meu mal||1572.24 Aquel fora en bõ[o] ponto nado / que depois ouvesse del bõa vençone||1603.13 deu-mi u[n] gra[n] peid’e foi-lhi depois mal / u s’acordou que mi-o dado avia||1644.28 e, depois, quit’é quen poder!
176.13 ca non temera vós despois nen quen / ei a temer por vós, mao pecado!||259.27 e, pois vos vi, nunca despois quis Deus / que perdess’eu gran coita nen coidado||279.6 nunca despois vi / prazer nen ben nen o ar veerei

depois d(e) loc. prep. 'despois de'
362.13 nen ar cuidei depois d’amor / a sofrer seu ben nen seu mal||1677.11 e depois daquesto, ..., / Marinha Mejouchi, come romeu / que ven cansado, atal o vi end’eu / tornar

depois que / depois ... que ~ depos que loc. conx. temp. 'despois que'

14.29 Ali me ven gran cuidado / depois que me vou deitar||114.31 e, depois que lh’o Soldan deu / o perdon, ouve gran sabor / de se tornar||527.9 E sei eu mui ben no meu coraçon / o que mia senhor fremosa fara / depois que ant’ela for||951.2 Andei, senhor, Leon e Castela / depois que m’eu desta terra quitei||1023.4 E eu nunca fui leda nen dormi, / amiga, depois que s’el foi d’aquen||1026.8 depois que lh’o mandado disser, / que se verra máis cedo que poder||1037.19 E, depois que s’el[e] de min partir, / tanto dórmia quanto quiser dormir||1222.15 viu-me chorar e, depois que me viu / chorar, direi-vo-lo que fez enton||1285.15 Depois que fiz na ermida oraçon / e non vi o que mi queria gran ben, / con gran pesar filhou-xi-me gran tristen
1123.17-18 Depois-lo tiv’eu guisado / que s’el foi d’aqui sanhudo
1492.4 e sol non lhi pôd’un passo fogir / aquel seu ome (depos que el ia)
[últ. rev.: 25/04/2017]