Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Universidade da Coruña
Glosario
da poesía medieval profana
galego-portuguesa
Voces do F
filha s. f. 'filla'. Cf. filho
ImprimirAlternar visualización dos exemplos
124.11 E vós, filha de Don Paai / Moniz, e ben vos semelha / d’aver eu por vós guarvaia?||282.13 E non á no mundo filha de rei / a que d’atanto devess’a pesar / nen estraidade d’om’a filhar||398.21 «Est’é filha de Maria»||579.1 Roga-m’oje, filha, o voss’amigo / muit’aficado que vos rogasse / que de vos amar non vos pesasse||579.6 mais non vos mand’i, filha, máis fazer||579.10 e por én, filha, [vos] rog’e mando / que vos non [pes de vos el ben querer]||584.1 – De que morredes, filha, a do corpo velido?||584.4 – De que morredes, filha, a do corpo louçano?||628.6 assi de fea come d’ẽatidade / non vos vence oje senon filha d’ũu rei||628.15 que nunca foi filha d’emperador / que de beldade peor estevesse||646.5 Nunca madr[e] a filha bon conselho deu||657.1 Aqui vej’eu, filha, o voss’amigo, / o por que vós baralhades migo, / delgada||657.4 Aqui vejo, filha, o que amades, / o por que vós migo baralhades, / delgada||663.1 – Dizede-m’ora, filha, por Santa Maria: / ...||666.1 – Se eu, mia filha, for / voss’amigo veer / porque morre d’amor / e non pode viver, / iredes comig’i?||666.13 [e], ai / filha, pois eu vou [i] / e mig’outren non vai, / iredes [comig’i?]||667.1 Vistes, filha, noutro dia / u vos dix’eu que gran prazer / eu avia d’irdes veer / voss’amigo que morria?||667.21 mandei-vo-lo veer enton / por aquesto, que por al non, / filha, par Santa Maria||675.4 – Par Deus, filha, mando-v[o-l’ir veer / e sera ben]||675.9 – [...] vós, filha, po-lo guarir, / e sera ben||675.14 – Diga, filha, de quant’ouver sabor, / e sera ben||702.1 – Filha, direi-vos ũa ren / que de voss’amig’entendi, / e filhad’algun conselh’i||702.14 – Filha, sei eu que o non faz||745.2 Mia madre, venho-vos rogar / como roga filh’a senhor||796.1 – Ai filha, o que vos ben queria / aqui o jurou noutro dia||828.11 – Filha, dou-vos por conselho que, ..., / que toda ren lhi façades que vosso pagado seja||828.16 – Pois escusar non podedes, mia filha, seu gasalhado, / des oimais eu vos castigo que lh’andedes a mandado||834.5 – Filha, fazed’end’o melhor||834.10 – Dized’, ai filha, por que non?||834.16 Que o recebades mui ben, / filha, quand’ante vós veer||837.1 Mia filha, non ei eu prazer / de que parecedes tan ben||837.7 que sabiádes, / filha, ca perderedes i||837.13 [que sabiádes], / filha, ca perderedes i||837.19 [que sabiádes], / filha, ca perd[er]edes i / no voss’end’, e máis pesa a min||844.1 – Filha, do voss’amigo m’é gran ben, / que vos non viu quando se foi d’aquen||872.1 – Bailade, oje, ai filha, que prazer vejades, / ant’o voss’amigo||872.7 – Rogo-vos, ai filha, por Deus, que bailedes / ant’o voss’amigo||872.13 – Por Deus, ai mia filha, fazed’a bailada, / ant’o voss’amigo, de so a milgranada||872.19 – Bailade oj’, ai filha, por Santa Maria, / ant’o voss’amigo, que vos ben queria||932.8 – Non vos leixedes én por mí, / filha, que lhi non faledes / se vós én sabor avedes||932.13 – Filha, po-lo desassanhar / falaredes per meu grado||935.5 – Filha, id’e eu vosc’irei||1005.3 – Un á que diz que morrerá d’amor / o voss’amigo se vo-lo veer / non faço, filha||1005.8 – Ai minha filh’, entenderá quen-quer / que vos teedes por el sa razon||1009.1 O que soia, mia filha, morrer / por vós dizen que ja non morr’assi||1009.3 e moir’eu, filha, porque o oi||1009.7 O que morria, mia filha, por vós, / como nunca vi morrer por molher / ome no mundo, ja morrer non quer||1009.13 O que morria, mia filha, d’amor / por vós non morre nen quer i cuidar||1009.15 e moir’end’eu, mia filha, con pesar||1009.20 ca, se souber que por vós morr’alguen, / morrerá, filha, querendo-vos ben||1013.1 Ai mia filha, por Deus, guisade vós / que vos veja [e]sse fustan trager / voss’amig’, ...||1013.6  ca, se vos vir, sei eu ca morrerá / por vós, filha, ca mui ben vos está||1029.1 – Ai mia filha, de vós saber quer’eu / por que fezestes quanto vos mandou / voss’amigo, que vos non ar falou||1029.8 – Por que fezestes, se Deus vos dé ben, / filha, quanto vos el vẽo rogar, / ca des enton non vos ar quis falar?||1029.14 – Por que fezestes, se Deus vos perdon, / filha, quanto vos el vẽo dizer, / ca des enton non vos ar quis veer?||1094.1 – Farei eu, filha, que vos non veja / voss’amigo||1094.7 – De vós e del, filha, ei queixume||1094.13 – Matar-m’-ei, filha, se mi-o disserdes||1095.2 – Novas son, filha, con que me non praz||1095.4 – Non faz, mia filha, ca perdedes i||1095.6 – Ben lhe sabedes, mia filha, querer!||1136.1 – Vejo-vos, filha, tan de coraçon / chorar tan muito que ei én pesar||1136.7 – Non vos vej’eu, filha, sempre cantar, / mais chorar muit’, ...||1144.1 Filha fremosa, vedes que vos digo||1144.3 que non faledes ao voss’amigo / sen mí, ai filha fremosa!||1144.4 E, se vós, filha, meu amor queredes, / rogo-vos eu que nunca lhi faledes / sen mí, ai [filha fremosa!]||1157.1 Filha, o que queredes ben / partiu-s’agora d’aquen / e non vos quiso veer||1157.6 Filha, que mal baratades, / que o sen meu grad’amades, / pois que vos non quer veer!||1157.12 Por esto lhi quer’eu mal, / mia filha, e non por al, / porque vos non quis veer||1162.3 – Quen ést’, ai filha, se Deus vos perdon?||1162.9 – Non vos ten prol, filha, de mi-o negar, / ante vo-lo terrá de mi-o dizer||1165.4 e lá iran nas barcas migo / mia filha e voss’amigo||1166.4 – Filha, dade-os a el-rei||1186.1 – Vej’eu, mia filha, quant’é meu cuidar, / as barcas novas viir pelo mar / en que se foi voss’amigo d’aqui||1186.6 – Cuid’eu, mia filha, no meu coraçon, / das barcas novas que aquelas son / en que se foi voss’amigo d’aqui||1186.11 – Filha fremosa, ..., / vej’eu as barcas pelo mar viir / en que se foi voss’amigo d’aqui||1188.1 Mal me tragedes, ai filha, porque quer’aver amigo||1188.4 e dé-vos Deus, ai mia filha, filha que vos assi faça, / filha que vos assi faça||1188.4 non ajades a mia graça / e dé-vos Deus, ai mia filha, filha que vos assi faça||1188.5 e dé-vos Deus, ai mia filha, filha que vos assi faça, / filha que vos assi faça||1188.7 e, porque mi-o non leixades aver, mia filha fremosa, / non ajade-la mia [graça]||1188.12 mais, pois que mi per vós vẽo, mia filha, que o non vejo, / non ajade-la mia [graça]||1202.7 – E guardade-vos, filha, ca ja m’eu atal vi / que se fez[o] coitado por guaanhar de min||1202.9 E guardade-vos filha, ca ja m’eu vi atal / que se fez[o] coitado por de min guaanhar||1207.1 Fostes, filha, eno bailar / e rompestes i o brial||1207.6 Fostes, filha, eno loir / e rompestes i o vestir||1208.1 – Digades, filha, mia filha velida: / ...||1208.1 – Digades, filha, mia filha velida: / ...||1208.4 Digades, filha, mia filha louçana: / ...||1208.4 Digades, filha, mia filha louçana: / ...||1208.13 – Mentir, mia filha, mentir por amigo!||1208.16 – Mentir, mia filha, mentir por amado!||1234.4 – Porque, filha, des que o conhocestes / nunca punhou erg’en mi vos tolher||1234.6 E sei, filha, que vos trag’enganada / con seus cantares, que non valen nada, / que lhi podia quen-quer desfazer||1234.17 e sodes vós, filha, de tal linhage / que devia vosso servo seer||1234.23 – Filha, ben sei eu vossos corações, / ca non queren gran pesar atender||1243.1 – Filha, de grado queria saber / de voss’amig’e de vós ũa ren: / como vos vai ou como vos aven||1243.7 – Filha, non sei se á i máis, se non, / mais vejo-vos sempre con el falar / e vejo-vos chorar e el chorar||1243.13 – Se mi-o negardes, filha, pesar-mi-á||1266.10 non fui filha de meu padre / se s’el[e] foi polo seu ben, / ca sei que mal [i verra én]||1268.1 – Filha, se gradoedes, / dizede que avedes||1268.4 – Filha, se ben ajades, / dized’e non mençades||1307.1 Pois vós, filha, queredes mui gran ben / voss’amigo, mando-vo-l’ir veer||1307.8 Mando-vos eu ir a Far’un dia, / filha fremosa, fazer oraçon||1307.14 E, pois lhi vós [mui] gran ben queredes, / direi-vos, filha, como façades||1429.5 pera ricome, que non pod’aver / filho nen filha, pode-l’-á fazer / con aquela que faz cada mes filho||1517.20 des i, se filh’ou filha faz, / non o quer outorgar por meu||1614.6 e, pois emprenha estas con que jaz / e faze filhos e filhas assaz, / ante lhe dig’eu ben encaralhado||1614.16 Escaralhado non pode seer / o que tantas filhas fez en Marinha||1623.2 Loavan ũu dia, en Lugo, Elvira / Perez, [a filha d]’Elvira Padrõa||1663.1 Quen a sa filha quiser dar / mester con que sábia guarir / a Maria Doming’á d’ir, / que a sabera ben mostrar||1663.9 ca me lhi vej’eu ensinar / ũa sa filha e nodrir||1663.16 E quen d’aver ouver sabor / non ponha sa filh’a tecer / nen a cordas nen a coser

filha d’algo 'fidalga'
1338.8 filha d’algo é ben assaz||1338.16 filha d’algo é pera vós||1338.24 filha d’algo é ben de pran
[últ. rev.: 25/04/2017]