Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega ILLA
Universidade da Coruña
Glosario
da poesía medieval profana
galego-portuguesa
Voces do M
minha ~ mía pron. pos. f. tónico de P1 Cf. mia
ImprimirAlternar visualización dos exemplos
238.14 ca non faz a min a minha melhor||251.1 Pois minha senhor me manda / que non vaa u ela éste||251.9 minha senhor me defende / que vaa u ela entende / que eu filho gran desejo||324.5 ca x’á i coita de coita, / mai-la minha non é coita!||324.10 ca x’á i morte de morte, / mai-la minha non é morte!||329.15 e estas coitas, senhor, minhas son||330.13 «Sen[h]or minha, tan gran pesar ei én, / porque filhastes orden, que morrerei por én»||383.23 E par Deus, o poderoso, / que fez esta senhor minha||397.9 e estas coitas, senhor, minhas son||646.6 Nunca madr[e] a filha bon conselho deu, / nen a mí fez a minha||871.2 Par Deus, coraçon, mal me matades / e prol vossa nen minha non fazedes||876.18 e ũu rapaz tinhoso, ..., / chamava minha nana «velha fududancua»||1005.8 – Ai minha filh’, entenderá quen-quer / que vos teedes por el sa razon||1074.12 que vossa coita quisestes põer / con a minha||1312.6 A minha coita, par Deus, non á par||1615.8 Pois sodes amiga minha, / non quer’a custa catar||1629.5 ca che tapo eu desta minha / boca a ta boca, Marinh[a]
814.8 E pois non quer a ventura mía / que vos doades do mal que mi aven / por vós

a la minha fe loc. adv. af. 'abofé, con certeza'
533.15 de quantas outras [e]no mundo son / non lhi fez par, a la minha fe, non
[últ. rev.: 25/04/2017]